Rua Espanha, 287 - Campinas-SP 19 3397-2005 19 3397-2004

OVÁRIOS IMPRESSOS EM 3D PRODUZEM FILHOTES DE RATOS SAUDÁVEIS

Gostou? compartilhe!

OVÁRIOS IMPRESSOS EM 3D PRODUZEM FILHOTES DE RATOS SAUDÁVEIS

Cientistas de todo o mundo estão trabalhando na melhor maneira de imprimir em 3D diferentes órgãos humanos para transplante. Uma equipe da Faculdade de Medicina de Feinberg da Northwestern University e da Escola de Engenharia McCormick, por exemplo, estão desenvolvendo ovários impressos em 3D que podem aumentar a produção de hormônios e restaurar a fertilidade. Os pesquisadores ainda testaram sua criação em camundongos que ovularam com sucesso e, finalmente, produziram filhotes saudáveis ​​depois que seus verdadeiros ovários foram substituídos. Além disso, os ovários desencadearam a lactação, então as mães foram capazes de amamentar seus filhotes.

Embora a sua criação esteja longe de ser o primeiro ovário biossintético, é o primeiro feito de estrutura de gelatina impressa em 3D. Eles simplesmente carregaram as estruturas com ovos imaturos antes de implantá-los em seus indivíduos de teste. Esforços anteriores usaram gel para encapsular células de ovo, mas infelizmente estavam propensas a quebrar e colapsar sobre si mesmas. A estrutura de andaime proporcionou um ambiente muito mais estável que deu aos folículos uma maior taxa de sobrevivência. De acordo com o professor assistente e membro da equipe Ramille Shah, o segredo está na temperatura que eles usaram enquanto imprimiam a estrutura:

“…encontramos uma temperatura de gelatina que permite que ele seja autossustentado, não colapsar, e levar à construção de camadas múltiplas. Ninguém mais foi capaz de imprimir gelatina com uma geometria tão bem definido e autossustentada.”

Vai demorar muito, mas muito tempo até que os ovários biossintéticos da equipe possam ser considerados para uso em seres humanos, embora esse seja definitivamente o objetivo final. Eles especificamente querem ajudar as mulheres que passaram por tratamento oncológico e/ou crianças que sobreviveram ao câncer infantil. Poderia ser usado para desencadear a produção de hormônio em sobreviventes de câncer adolescentes que normalmente precisariam passar por terapia de reposição hormonal, e poderia substituir a fertilização in vitro (FIV) para alguns daqueles que precisassem.

Fonte: Engadget



Gostou? compartilhe!